Defesa de Direitos Humanos com foco principal na criança e adolescente

Sexta-feira, 6/8/2010

Marta Barcellos

Antes de ter sua personalidade revelada pelo assassinato da ex-amante, o então goleiro do Flamengo Bruno Fernandes havia afirmado, a propósito de defender seu amigo Adriano, que “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”. E ainda acrescentou: “Quem nunca saiu na mão com a mulher?”

Por sorte, o Brasil está mudando e os ditos populares já não são repetidos por aí sem alguma reflexão. A gritaria foi grande e ficou claro que se alguém ainda acha normal um homem bater na esposa deve defendê-lo junto a outros trogloditas no botequim da esquina ― não na frente das câmeras. Em briga que o marido “sai na mão” com a mulher, é obrigação de quem está por perto meter a colher, e a razão mais óbvia é a covardia do machão em questão.

A violência doméstica contra a mulher perdeu definitivamente o caráter de “questão privada” com a aprovação da Lei Maria da Penha. Foi uma grande vitória. Se queremos mudar uma cultura ultrapassada, como a machista, isso só se faz com leis e punição, as únicas armas eficazes contra a “tradição”.

Como mulher, com frequência me flagro perplexa e indignada com tantas notícias sobre discriminação e violência contra o sexo feminino. Parte de meu espanto, provavelmente, vem do privilégio de poder frequentar ambientes em que esses direitos são naturalmente respeitados.

Nestes mesmos círculos, porém, ainda vejo pessoas defenderem a violência física contra crianças, embora a maioria se atrapalhe na hora de explicar critérios e graduações de dor suportáveis aos pequenos. Às vezes, mesmo morando em um bairro de classe alta de uma grande capital, presencio mães humilhando seus filhos, praticando torturas psicológicas terríveis, ameaças de desamor que causam grande sofrimento em seres frágeis que ainda estão em formação.

Em certa ocasião, desabafei a uma amiga, meio a brincar meio a sério, depois de ver uma cena dessas: “Devia ser obrigatório um certificado de mãe para poder engravidar. É um absurdo uma criança indefesa ficar nas mãos de uma maluca só porque ela é sua mãe”. A tal cena, numa sorveteria, poderia passar despercebida, se não fosse eu estar na mesa ao lado, esperando a minha amiga, e ter reparado na sofisticação da tortura à qual o menino, de uns quatro anos, estava sendo submetido.

A mãe pedira um sorvete para ela e outro para o filho ― que mal tocou na taça dele. A partir daí a mulher começou a ameaçá-lo com castigos, até violentamente pegar para si o sorvete dele e começar a comê-lo com colheradas ferozes. “É por isso que mamãe está gorda. Mamãe está ficando gorda por sua causa”, repetia ela furiosa diante do menino de olhos arregalados.

Claro que, no balanço geral, a tal maluca descompensada pode até ser uma boa mãe, que acima de tudo ama o seu filho. E as culpas que está incutindo no pobre garoto devem ser minimizadas com algumas sessões de terapia (parecia ser uma família rica). Mas se há uma fronteira a partir da qual a covardia de um adulto frente a uma criança se torna flagrante ― e indefensável ― é quando essa agressão se torna física.

Eu poderia elencar aqui vários estudos mostrando o quanto os “ditos populares” sobre a “palmada educativa” são falsos. Mas para se utilizar desses argumentos será preciso desconsiderar o fato primeiro que é a covardia de um ser mais forte contra outro, fraco e indefeso. Homem não pode bater em mulher, porque ele é obviamente mais forte que ela. Adultos não podem bater em crianças porque eles são mais fortes que elas. Se dois marmanjos quiserem trocar socos na esquina, o problema é deles. Mas se há uma pessoa indefesa tendo seus direitos desrespeitados, o problema é da sociedade.

Educar não é fácil, e provavelmente a maior virtude necessária a pais e mães é a paciência. Se os jovens casais, que não pretendem apenas usar os recursos “fáceis” do passado, estiverem cientes disso, desde cedo, talvez consigam passar pela tentação da palmada com a tranquilidade de quem está implantando uma nova tradição no Brasil ― um país, por que não, onde os pais já não batem mais nos filhos, como foi no passado. E os pais e mães com os filhos crescidos talvez parem de se gabar do “sucesso” de suas palmadas bem intencionadas, para apenas admitir que seguiam uma tradição equivocada.

Quanto às leis, desconfio que elas serão necessárias, assim como foi a Lei Maria da Penha. As crianças precisam ter seus direitos protegidos, para que nenhuma mãe ou pai possa alegar, no hospital, que “foi apenas uma palmada”. Sem dúvida será mais fácil graduar punições do que a intensidade de tapas permitida aos pais, como se tenta moralmente estabelecer hoje em dia.

Particularmente, vou me sentir mais descansada quando a palmada afinal se tornar “politicamente incorreta”. Posso ter exagerado, na minha indignação, quando imaginei os tais “certificados de mãe” (deveriam ser concedidos pelo Estado? por Deus? céus!). Mas a aprovação de uma lei razoável, e principalmente simbólica sobre a gravidade do tema, será providencial para que cheguemos lá. Assim, quando eu assistir a uma mãe humilhando seu filho em público, vou imaginar que ela ao menos saberá segurar a sua impaciência (ou fúria) entre as quatro paredes do sacrossanto lar.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha. Leia também “Big Brother da Palmada“.

Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 6/8/2010

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: