Defesa de Direitos Humanos com foco principal na criança e adolescente

Posts marcados ‘Drogas’

Atividade aberta a todos os interessados, sem inscrições. “POLÍTICA DE DROGAS NO BRASIL: CONSENSOS FORJADOS, DIREITOS VIOLADOS”

ONU marca Dia Mundial de Combate à Aids chamando atenção para direitos dos soropositivos

 

Para marcar o Dia Mundial de Combate à Aids, a OMS (Organização Mundial de Saúde) disse que saúde, Aids e direitos humanos estão interligados. Em todo o mundo, cerca de 34 milhões de pessoas convivem com o vírus do HIV.

Efe

Estudantes participam de manfiestação em Jammu, Índia

Em nota, a OMS afirmou que os grupos mais expostos ao risco do HIV, incluindo trabalhadores do sexo, usuários de drogas injetáveis, homens que têm relação sexual com outros homens e transexuais, são também os que menos têm acesso a programas de prevenção da doença. De 92 países pesquisados em 2009, apenas 36 ofereciam serviços de redução de danos.

Segundo as Nações Unidas, 80% de todas as mulheres contaminadas com o HIV no mundo vivem na África Subsaariana. No leste europeu, 50% dos soropositivos são também usuários de drogas injetáveis. Já na Holanda, na Espanha e na França, até três quartos das novas infecções por HIV ocorrem em grupos de imigrantes.

Crianças

A ONU acredita que é possível haver uma geração de crianças livre de Aids em 2015 desde que a comunidade internacional reforce o acesso universal aos tratamentos para combater o vírus HIV e melhore a proteção social, aumentando a luta contra a marginalização e as desigualdades.

Leia mais:
Vaticano minimiza declarações de Bento XVI sobre camisinha
Bento XVI aceita uso de camisinha para reduzir risco de AIDS
EUA liberam entrada de portadores do HIV após 22 anos de veto
Gel vaginal reduz em quase 40% a infecção pelo vírus HIV, aponta estudo
África do Sul: Em campanha contra HIV, atores de filmes pornô usam camisinha em cena

Segundo as Nações Unidas, a cada dia, quase mil crianças nascem na África Subsaariana infectadas pelo HIV, transmitido pelas mães. Novos tratamentos existentes beneficiam tanto as mulheres grávidas como seus filhos.

Dados da ONU indicam que, em 2009, nos países de baixa e média renda, 53% das mulheres grávidas e infectadas se beneficiaram de tratamentos com antirretrovirais para prevenir a transmissão de mãe para filho, contra 45% de 2008.

No caso da América Latina e do Caribe, 57% das mulheres grávidas soropositivas receberam tratamento em 2009, contra 29% em 2005. O acesso a esses tratamentos melhorou especialmente nos países do sul e no leste da África, onde beneficiaram 68% das infectadas

Promotoria comprova que bebês eram vendidos por crack na serra gaúcha Valores variaram de R$ 1.000 a R$ 2.000, segundo investigações.

Após sete anos de investigação, o Ministério Público do Rio Grande do Sul comprovou que bebês estavam sendo vendidos em Farroupilha, na serra. A informação é do jornal Correio do Povo.

A promotora de Justiça Cláudia Formolo Balbinot confirmou a transação de dois recém nascidos por mães usuárias de drogas.

– Casais inférteis negociam com as mulheres, que vendem as crianças para comprar crack.

Nos dois casos em que bebês foram comercializados por valores que variaram de R$ 1.000 a R$ 2.000, a Justiça manteve a guarda com os pais adotivos, devido ao vínculo que as crianças formaram com eles..

Depois de receber outra denúncia anônima, a promotoria começou a investigar, há cinco meses, outras sete mulheres grávidas que moram em três casas de prostituição no bairro Lomba do Sabão, no município. As prostitutas engravidaram no segundo semestre, quando acertaram a venda das crianças para casais da região serrana.

Após comprovar a denúncia, o Ministério Público conseguiu que a Justiça tirasse a guarda das crianças, que foram colocadas em abrigos da cidade. Dos sete bebês, três já estão em processo de adoção.

Cada criança seria negociada a R$ 1.000.

De acordo com o Ministério Público, em um dos casos foi identificada a intermediação de um advogado, contratado pelo casal interessado na adoção irregular.

A Promotoria pretende fazer uma operação nas boates onde foram identificas as mães usuárias de crack.
Por determinação judicial, as mulheres, entre 20 e 30 anos, foram internadas em clínicas de reabilitação.

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: