Defesa de Direitos Humanos com foco principal na criança e adolescente

Posts marcados ‘Moradores de Rua’

Os grupos de extermínio de Maceió

Enviado por luisnassif, qui, 18/11/2010 – 09:18

Por Fernando Augusto Botelho – RJ

Da Agência Brasil

SDH, Igreja e OAB não descartam hipótese de existência de grupo de extermínio em Maceió

Gilberto Costa e Daniella Jinkings
Repórteres da Agência Brasil

Brasília – Autoridades que acompanham o caso das mortes dos moradores de rua em Maceió não descartam a possibilidade de que os violentos assassinatos estejam sendo praticados por um grupo de extermínio. Desde o início do ano, já foram mortos 32 moradores de rua na capital alagoana. O último episódio ocorreu na madrugada de domingo para a segunda-feira (15) quando Munique Camila dos Santos, de 21 anos, foi assassinada a tiros e arrastada até um bueiro.

Desde quando começou a acompanhar o caso, a crueldade dos crimes chama a atenção de Ivair Augusto Alves dos Santos, coordenador do comitê que monitora as políticas nacionais para pessoas em situação de rua, ligado à Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República. De acordo com ele, as investigações consideram a possibilidade de que muitas mortes sejam causadas por grupos de extermínio. “Quando eu estive lá [em outubro], tanto o Ministério Público quanto a polícia diziam que não havia atuação de grupo de extermínio, mas esse quadro mudou. Ninguém ignora essa possibilidade.”

“As 32 mortes não foram esclarecidas. A Polícia Judiciária [responsável pela investigação] não se posicionou. Todas as hipóteses devem ser consideradas”, acrescentou o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB-AL), Gilberto Irineu de Medeiros, que também preside o Comitê Municipal de Apoio aos Moradores de Rua. Por sugestão da SDH, o comitê foi criado pela prefeitura de Maceió para articular políticas públicas e o apoio da sociedade civil.

“Acreditamos que seja grupo de extermínio”, disse o padre Manoel Henrique Santana, da Pastoral da Rua e pároco no bairro litorâneo Ponta Verde. Segundo ele, moradores de rua contam que viram um carro preto e uma moto preta circulando mais de uma vez nas proximidades de onde ficam.

O coordenador das pastorais sociais da Arquidiocese de Maceió, padre Rogério Madeiro, também não descarta a hipótese de atuação de grupos de extermínio na cidade, mas acrescenta outras possibilidades. “Pode ser gente contratada para matar, pode ser briga entre os próprios moradores ou pode ser acerto de contas com o chefe do tráfico.”

Segundo o padre Rogério, os moradores de rua estão com medo de ser assassinados e, por isso, recorrem aos grupos da pastoral para serem acolhidos. “A Igreja está ajudando. Há as irmãs franciscanas e o grupo Servo Sofredor, que acolhem essas pessoas.”

De acordo com o padre Manoel Henrique, o “clima de medo” é grande, e há moradores dormindo debaixo de jangadas na areia da praia.

Nos albergues de moradores de rua em Maceió, há vaga para 80 pessoas, mas, de acordo com o representante da OAB, há 312 moradores de rua na cidade. Para ele, a situação atual é a “explosão” de um quadro que vem se desenhando há muito tempo. “Isso é resultado de três décadas de ausência do Poder Público e de inexistência de políticas públicas para inserção dessa população. Os últimos governos não deram prioridade ao atendimento aos moradores de rua”, reclamou.

Além da suposta omissão do Estado, quem defende os moradores de rua ainda aponta a indiferença da sociedade. “Há uma apatia da sociedade em relação aos moradores de rua, pois eles são um incômodo para muitas pessoas. Ações mesmo, só da sociedade civil organizada, que está se manifestando mesmo”, assinalou o padre Rogério.

Segundo o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-AL, a entidade já solicitou o aumento de rondas ostensivas e a presença de policiais à paisana para segurança dos moradores. O Ministério da Justiça deslocou dez delegados (de polícias civis estaduais) para ajudar nas investigações dos crimes. Segundo o padre Rogério, também foi solicitado o envolvimento da Polícia Federal que ainda não entrou no caso.

A Polícia Civil acredita que poderá esclarecer o caso nos próximos dias e marcou para o dia 22 (segunda-feira) uma coletiva para dar informações e um balanço sobre as investigações.

Ainda não há um perfil das vítimas, mas a maioria é de homens pardos, de 20 a 40 anos. A SDH está enviando três técnicos para dar apoio à Secretaria de Assistência Social de Maceió e financiando o deslocamento de representantes da coordenação do Movimento Nacional de Moradores de Rua para a capital alagoana.

Edição: Lílian Beraldo

21/10/2010

Vinte e dois moradores de rua foram assassinados em Maceió este ano

Gilberto Costa
Repórter da Agência Brasil


Brasília – De janeiro a outubro deste ano, 22 moradores de rua foram assassinados em Maceió (AL). Além do número expressivo, as mortes chamam atenção pela crueldade, afirmou hoje (21) Ivair Augusto Alves dos Santos, coordenador do comitê que monitora as políticas nacionais para pessoas em situação de rua, ligado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

 

Segundo ele, em sete casos houve houve apedrejamento da vítima, inclusive de uma adolescente de 16 anos que estava grávida. A maioria das vítima são homens adultos.

Para Santos, que foi a Maceió a pedido do Movimento Nacional dos Moradores de Rua, os 22 assassinatos deverão, mais uma vez, expor o Brasil em relatórios internacionais sobre a violação de direitos humanos.

O coordenador do comitê preferiu não comentar as causas e os suspeitos dos assassinatos, para não atrapalhar a investigação, mas descartou a possibilidade de as mortes serem de autoria de grupos de extermínio.

Santos deverá se reunir durante a tarde com três delegados da Polícia Civil que apuram os casos. Pela manhã, o coordenador esteve com o secretário municipal de Direitos Humanos, Pedro Montenegro, e com os promotores de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça e Flávio Gomes.

Na capital de Alagoas, há cerca de 400 moradores de rua.

Edição: Lílian Beraldo

Índice de tuberculose e aids entre moradores de rua alarma assessor dos Direitos Humanos

JB

Três representantes de órgãos do governo federal que participarão da audiência pública, hoje, no Rio disseram ontem ao Jornal do Brasil que a retirada da população de rua da cidade é a prioridade no momento. Assessor especial da Secre taria Nacionaldos Direitos Humanos (SNDH), Ivair Santos afirma que o convênio entre União e Prefeitura deve reunir várias secretarias da área social do município.

População de rua é proble ma histórico no Rio, desde que o Rio é Rio. É campeã no índice de tuberculose e aids – alerta Ivair. – O problema não são os recursosa serem investidos, mas mudança de olhar para o problema e as secretarias de Saúde, Assistência Social, Tra balho, Educaçãoe Habitação terão que se engajar. A Secretaria Municipal de Assistência Social informa ter 67 abrigos para moradores de rua  – 37 da prefeitura e 30conveniados.  Mas diz que não pode prendê-los nas unidades, onde alguns acabam ficando.

COTIDIANO

– Uma rápida volta pelas ruas do Rio permite observar o grande número de sem-teto, às vezes reunindo famílias inteiras. Meta é mudar o quadro até 2014

 A secretaria diz ter convênioscom as secretarias de Educação, Saúde, Habitação, Trabalho. Para o coordenador geral de qualificação do Ministério do Trabalho, Ânderson Alexandre dos Santos, que também estará na audiência, “a hora de o Rio dar cidadania aos moradores de rua é agora”. – Esse problema está na nossa cara faz tempo. A realização da Copa e da Olimpíada é uma oportunidade ímpar para o Rio tirar esse cinco mil mendigos com a ajuda da União. Porém, segundo Ânderson, o Ministério do Trabalho só poderá atuar após a retirada dos mendigos da rua. –A maioria deles é viciada em drogas ou álcool. Nossa tarefa será qualificar essas pessoas após elas serem recolhidas a abrigos. Coordenador geral de políticas sociais do Ministério dos Esportes, LuizRoberto Araújo trata o assunto como prioridade. – Serão dois megaeventos e os olhos do mundo estarão voltados para o Rio. Por isso, precisamos tratar desse problema com o máximo de cuidado – alerta o coordenador

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: